Férias para a mamãe

Férias para a mamãe

Ai, ai, ai… esse tipo de post sempre acaba dando um nó na garganta e uma dúvida do que deve, ou não,  ser compartilhado. Bem, blog é blog!

Estamos aqui para compartilhar experiências íntimas e particulares com o simples  objetivo de ajudar.

Eu passei por isso, você pode passar por isso, sua vizinha pode ter um problema parecido, ou simplesmente você pode dar mais valor para detalhes que fazem a diferença no seu dia-a-dia.

Ok, acho que esse post está um pouco confuso! Muitas ideias para compartilhar com vocês e não estou conseguindo manter o foco, rsss.

Eu sou aquele tipo de pessoa que não tem muita paciência,  vejo  primeiros os pontos negativos e depois os positivos, sou crítica e acho que, de certa forma, isso é positivo. Quando me “tornei” mãe, naturalmente minha paciência aumentou muitoo e com a Valentina sou infinitamente mais tolerante, mas tem dias que me sinto exausta com a rotina, fraldas, roupas para lavar, casa, marido,   etc, etc….

Tem dias que a Valentina fica super independente brincando com as coisinhas dela, mas às vezes ela quer ficar agarrada no meu colo o tempo todo e eu não consigo fazer absolutamente nada. Olha, já tentei conversar, brigar, brincar, observar porque ela fica assim. Acho que quando ela não dorme bem e já acorda com sono é o ponto critico, ela quer ficar deitada vendo desenho e eu tenho que estar agarrada com ela. Seu filho tem “cheirinho”amigo do berço, fraldinha ou algo que ele não larga? A minha filha tem e Eu, ou melhor, a minha mão, é o equivalente a essas coisinhas que a criança adota como “porto seguro”.

“Você anda intrigada com o fato de seu filho resmungar toda vez que você precisa lavar aquele coelho de pano pra lá de sujo de tanto ser arrastado pela casa, pelo parque e ir para o berço? É, de fato esses paninhos são objetos muito queridos para as crianças nessa faixa etária. Significa inconscientemente o seio da mãe. Com ele a criança se sente mais segura e tranquila, como se fosse um aconchego. Recebem até um nome pomposo: objeto transacional ou de transição. Por isso, não há motivos para tirá-lo. Não agora! Mas, se toda vez que o coelho vai para a lava-roupa e depois para o varal, seu filho não gosta e abra um berreiro muito grande, o jeito é chamá-lo para ajudar a lavar o trapinho e participar da limpeza. Se for o caso de substituí-lo, faça-o lentamente. Ou seja, deixe o paninho antigo com o novo. As chances de, com o tempo, ele transferir para o novo o que o outro representa pode ser grande, porque para a maioria das crianças o importante é o cheiro, que lhe é familiar. Só que essa tática nem sempre dá certo. E então resta à família sentar e espera a fase passar. Aos poucos, a criança troca o pano por outros objetos do coração, como um brinquedo. Incentivá-lo com outras brincadeiras pode ajudar a esquecer o coelho maltrapilho mais cedo. O ideal é que a criança abandone a idéia de ter um paninho até os 5 anos. Depois dessa idade, os interesses são outros como, por exemplo, o início da alfabetização. Se o pano persiste em fazer parte do cotidiano infantil, então uma conversa com um profissional sobre a continuidade dessa mania deve ser considerada. Já imaginou arrastar um mesmo paninho ou coelhinho por cinco anos seguidos? Só mesmo o Linus, das tirinhas do Snoopy.” (http://revistacrescer.globo.com/)

Nas últimas semanas eu estava me sentindo cansada, dormindo pouco, muitas ideias na cabeça e com vontade e coragem de viajar sem a pequena. Na segunda-feira, dia 01/07, foi meu aniver de 30 anos e resolvi aproveitar a ocasião. Passagens compradas, a Dinda pronta para ficar com Valentina por 4 dias, malas prontas e lá fomos nós…🙂

Image

É preciso ter coragem, acho que não só para deixar o baby, mas para se permitir relaxar sem peso na consciência. Olha que eu passei dois meses viajando com a Valentina no final do ano passado (em breve um post/ viajando com crianças na Europa/Passaporte x documentos/ o que levar?), mas não foi fácil.

Poxa…as mães também são filhas de Deus!!

Durante a viagem, brincadeiras do meu marido porque eu iria virar uma “trintona” à parte , ele  olhou para mim e disse: “quanta coisa aconteceu na tua última década, hein?” E foi aí que eu parei para pensar….

Nesses últimos dez anos eu conheci meu marido, ganhei uma sobrinha linda, me formei, morei em NY por 2 anos, casei, fiz amigas para uma vida inteira, fiz MBA, conheci lugares fantásticos, tenho meu apê, ganhei um anjo chamado Valentina, perdi um anjo chamado mãe, me tornei mais frágil, mais tolerante, hoje eu tenho 30 anos, hoje eu sei dizer não, hoje eu tenho mais paciência, hoje eu tenho mais compaixão, hoje dou mais valor para enfermeiros, hoje penso duas vezes antes de ter um ataque de nervos, hoje eu amo mais, hoje eu tenho planos simples e ambiciosos, hoje eu quero ter outro filho, hoje eu amo esse blog, hoje eu tenho dúvidas e muitas certezas, hoje eu escolho as pessoas que fazem a diferença na minha vida, hoje dou valor para pessoas que tem atenção uma com as outras, hoje eu tomo chá, hoje eu tenho saudade de quem partiu, hoje eu tenho compaixão com os que sofrem, hoje eu julgo menos, hoje eu amo cebola, hoje eu sou mais eu!

Ufa! #momentoterapia

Retomando o post: Férias para as mamães

Queria compartilhar que foi ótimo sair da rotina, a Valentina ficou ótima com os Dindos (OK, eles são D+!), aproveitei a viagem para fazer refeições na santa paz (rss), compras com calma, fui a restaurantes e lugares deliciosos sem correr de uma lado para outro, não troquei fraldas, tomei banhos demorados, sai na night com o maridex e  na volta o nosso reencontro com a Valentina foi mega emocionante!

Dicas pessoais x banais :

  • Optei por não conversar com ela por Skype ou por outro meio de comunicação porque às vezes quando ela me vê acaba entrando em crise;😦
  •  Deixei a carteira do plano de saúde para possíveis problemas e o telefone do pediatra;
  • Fiz uma caixa com os brinquedos preferidos;
  • Optei por deixá-la com os Dindos porque ela está mega acostumada com eles e com a casa deles também;
  • Olhei a previsão do tempo para Floripa e fiz uma malinha com muitas roupas porque ela está em uma fase que usou x lavou.

Já estou começando a sonhar com a minha próxima escapada🙂 Se você pode viajar, siga em frente, eles sobrevivem sem nós (mãe x pais), se a grana está curta mude o planos, tire um dia, uma tarde, um final de semana para você e aproveite para fazer algo bacana,  coisas simples são capazes de recuperar nossa energia.

Sugestões:

  • Um dia de beleza;
  • Uma boa massagem;
  • Uma pousada na Ferrugem, Guarda ou Garopaba;
  • Uma Night com direito a dormir até tarde;
  • Uma jantinha em um lugar bacana.

Cuidem-se mamães… precisamos estar “inteiras” para cuidar dos nossos filhotes, bjs!!

Deixe um comentário

Arquivado em Vida de mãe

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s