Aprendendo a falar

IMG_9975

post de “mamãe babona”

 

Gente eu tenho um papagaio  de 1 ano e nove meses em casa! A Valentina está uma figura… soltou a língua de vez e já faz  um mês que percebemos ( em casa e na escola ) que ela está soltando o verbo. Desde sempre converso com ela, que mãe não fica falando com o bebê o tempo todo? Meu marido viajou em abril e voltou no inicio de junho e ficou espantado com a evolução da fala. Canta musicas sozinha, aprendeu nossos nomes, cores, nariz, boca e todo o resto ela tira de letra, animais, dita seus desejos, conta até 10 e repete tudo o que escuta. Já estamos naquela fase em que precisamos ficar atentos a tudo o que é dito. Acho que alguns fatores podem ter ajudado (claro que é impossível afirmar, massss):

– desde sempre ela escuta muita música e assim que conseguia tentava reproduzir algum som;

– como ela ainda tem crises do tipo…querer  ficar agarrada em mim eu sempre (desde que ela era micro baby e talvez não entendesse nada que eu falasse) tentava explicar minhas ações.. tipo: “Valentina a mamãe vai te deixar na cama, não chora (p-l-e-a-se!)! Olha para a mamãe.. vou colocar a blusa, agora a calça, a meia, o sapato, agora o brinco, colar, pulseira, vamos pentear o cabelo, escovar o dente… ufa!! Não é fácil, rsss, mas é assim que eu tenho que fazer  às vezes para conseguir  sair de casa.

– minha irmã que diz que eu falo com a Valentina como se eu estivesse falando com um adulto, mas por algum motivo é assim que eu faço. Vamos combinar que ninguém aguenta ficar o dia todo falando tudo no diminutivo.

“Segundo a fonoaudióloga, o processo de aquisição da fala por parte da criança está totalmente ligado à educação exercida pelos pais. Para ela, pai e mãe devem orientar a criança a pronunciar a palavra corretamente, de forma suave, evitando palavras no diminutivo. “Não é interessante que os pais se comuniquem com o filho utilizando diminutivos. Além da criança ter muito mais facilidade em pronunciar ‘boneco’ do que ‘bonequinho’, ela terá mais facilidade de nomear e gravar as palavras por serem mais fáceis de falar”, explica.” fonte 

As pérolas desse final de semana foram:

  1. ontem fomos visitar as tartarugas no projeto Tamar e ela disse: “tacaruga tomando banho mamãe”;
  2. Ela estava brincando no balanço e um menino sentou no balanço ao lado dela e ela disse para ele: “segura firme”
  3. A conjuntivite deu o ar da graça e ela disse: “tadinha Tina dodói”
  4. Quando entramos no carro para ir embora ela entendeu que era hora de ir para casa e disse: “agora Fish” (nossa  cachorrinha se chama Tifany)
  5. Passei pano no chão e ela: “tá molhado mamãe”
  6. Se faz algo que ela sabe que é errado diz: “ai, ai, ai, Tina” (a pessoa de meio metro se auto repreende// Figura!).

O detalhe é um mini ser dizendo essas coisas, temos q ficar muitooo  contidas para não esmagar!!

Confira o que dizem os especialistas:

O desenvolvimento completo da linguagem dura, em média, quatro anos. “Cada criança, no entanto, tem um ritmo. Enquanto algumas pronunciam as primeiras palavras aos 10 meses, outras começam a falar com 1 ano e meio. As duas situações são perfeitamente normais”, explica a fonoaudióloga Renata Santiago Donegá, do Hospital e Maternidade São Camilo, em São Paulo.

Mas até que idade elas costumam se enroscar com as palavras? Segundo os especialistas, entre 4 e 5 anos de idade, a criança já forma frases de cinco palavras, tem um vocabulário de 1.500 termos, em média, e emprega substantivos, adjetivos e advérbios. Se esse não for o caso do seu filho, é hora de buscar ajuda. “As causas podem ser emocionais ou físicas, como um problema auditivo. Cabe ao profissional avaliar a situação e indicar o tipo de tratamento”, diz o neuropediatra Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo.

Sem infantilizar

A evolução da linguagem depende de estímulos externos e, claro, das características de cada criança. Umas são naturalmente mais “tagarelas”. Como se aprende a falar ouvindo, imitando e, principalmente, falando, o melhor incentivo é conversar com seu filho. “Daí a importância de falar certo com a criança, o que inclui não infantilizar a linguagem. A linguagem tatibitate pode ser engraçadinha, mas prejudica a memória auditiva de quem está aprendendo a falar e, em alguns casos, a escrever”, ressalta a fonoaudióloga. Mais importante que falar direito, no entanto, é ter vontade de se comunicar. “Trocar letras como o ‘p’ pelo ‘b’, típico nessa fase, mostra apenas um atraso no desenvolvimento da fala. Quando a criança não tenta se comunicar, entretanto, o problema pode ser mais grave, até uma deficiência mental”, diz o neuropediatra Muszkat.

Bons estímulos

– Descreva as atividades do dia-a-dia em voz alta para a criança.

– Ensine-a a usar o telefone.

– Leia histórias maiores.

– Incentive-a a falar sobre os amigos, tarefas escolares e programas de TV.

– Mostre interesse pelos assuntos da criança, prestando atenção em suas histórias.

Confira também esses links:

Meu filho troca as letras das palavras

Aprendendo a falar

Aprendendo a falar desde cedo

1 comentário

Arquivado em Vida de mãe

Uma resposta para “Aprendendo a falar

  1. melsavi

    MEUDEUS, tem que morrer de amor com esses vídeooos! Fofa, fofa, fofaaa!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s